massagem e Sexo

Muito se discute sobre o serviço prestados por muitas massagistas por todo o mundo, sempre associam massagistas ao sexo, e sempre de uma maneira negativa, associando o trabalho de massoterapeuta seja o mesmo serviço de acompanhantes pelo mundo a fora, mas vamos partir de um princípio: Sexo é a própria vida. Por um “acaso” nascemos dele, não é mesmo?
Toda a natureza é sexual. Observem as polaridades, o sol e a lua, o claro e o escuro, o dia e a noite, o elétron e o próton, e tudo ..absolutamente tudo é sexual, tudo é energia, e tenha certeza, uma energia muito boa, que faz bem para todos os envolvidos, sou uma massagista sp e posso afirmar isso com propriedade, em meus atendimentos sempre busco não apenas aplicar a massagem, mas busco também a proximidade com meus clientes, e isso não se resume a envolvimentos sexuais, o sexo pode acabar sendo consequência do toque, o que nem sempre ocorre.

A importância da massagem no sexo

A Lâmpada de sua casa acende de forma sexual também. É apenas energia. Tudo é natural quando observamos as coisas fora de nós e em especial, as coisas não humanas. Porém quando pensamos em termos humanos, sentimos um nó no raciocínio e passamos de um momento a outro a ver isso tudo de uma forma não natural. Porque?

Durante séculos a sociedade, forçada por forças religiosas antagonizou a existência humana, divinizando o invisível e demonizando o material, é assim que “diversas terapeutas, massagistas e massagens são tratadas “.
Assim herdamos de séculos que nos precederam um padrão dissociativo de espiritualidade e sexo.

O tantra nos ensina a aceitação de quem somos como um todo; da sutileza do espírito à densidade da matéria. O tantra nos diz que agraves da sensibilização deste nosso corpo, que é nosso templo, pode a divisão entre corpo, mente e espírito (divisão esta que nos foi infundido por séculos de pressão religiosa) ser dissolvida e experimentarmos uma unidade primordial, curando a fragmentação de nosso ser.

Assim, deste modo, no conceito tântrico, energia é energia. Podemos atribuir qualidades à esta energia. Medo, amor, compaixão, tristeza, alegria, tesão, culpa são aspectos ou qualidades desta energia. Cada um de nós atribui uma qualidade à esta energia de acordo com as nossas crenças ou de acordo com os bloqueios existentes em nossos chakras ou centro de força em nosso corpo.

problemas de chakra básico

A grande maioria da humanidade esta com problemas de chakra básico – muladhara (subsistência e medo) e faz as energias ficarem aprisionadas neste centro, ou mesmo no chakra umbilical (prazer e culpa). As sensações e os sentimentos associam-se com os Chakras desta maneira.

O caminho tântrico esta na aceitação destes processos, destas energias, enfim de quem somos. Estes pequenos egos dissolvem-se quando a luz da consciência incide sobre eles. É o significado profundo da flor de lótus que emerge do pântano quando o sol tangencia o lodaçal.

Assim, o tantra ensina-nos e visitar todos os cômodos de nosso templo humano, de ir a cada dia um pouco mais longe, ampliando os limites de nossa existência.

Estes limites não são externos. Não se trata de pular de precipícios, de asa delta ou escalar montanhas vertiginosas, pois isso tudo não é nada além do que um paliativo para um vazio existencial colocando em risco o templo que temos para cuidar que é nosso corpo. A aventura verdadeira é mais profunda e mais perigosa.

Buda dizia: É mais fácil um homem vencer a um exército de 1000 homens do que vender a si mesmo.

O caminho é para dentro, reconhecendo os desfiladeiros internos, os precipícios existenciais, os pântanos de nossa consciência. E o risco, não é o de irresponsavelmente perder o templo que tão custosamente a natureza operou para nos dar e sim ganhar a iluminação, a transcendência, que é o que todos de um modo ou outro buscamos.

O tantra proporciona uma profunda busca interior.

E o que é o sexo em tudo isso.
Sexo é polaridade, percepção, energia primordial geradora de tudo o que existe.

Se você vive o sexo profundamente, você perceberá que encontrou a deus.

O que é deus? É um homem? Uma mulher?

Deus não é homem, nem é mulher, é um estado de ser. É a androgenia divida. Deus se revela quando homem e mulher se encontram. Este encontrar não é um encontro de corpos dormentes, e sim de seres conscientes, despertos.

O que seria das religiões se as pessoas entendessem isso tudo? Os templos fechariam, os dízimos acabariam, a manipulação e o poder não mais poderiam controlar as massas. Logo trataram de associar o sexo com uma imagem rabuda e com chifres, pois sabiam que através desta energia ou este conhecimento o homem podia ser livre, e um homem livre não é interessante para a sociedade, alias, é muito perigoso.

E o resultado é que somos oriundos de séculos de crenças fundamentadas em fragmentação existencial, com a idéia de que temos um corpo separado do divino.

O entendimento destes princípios levam-nos a uma suprema compreensão da vida, da existência e de nós mesmos.

Pense nisso, sinta, aceite, e se transforme.